Não quero mais me apaixonar



Depois de tantos percalços e coisas que já foram, que ficaram para traz passei a me acostumar muito mais as partidas do que as chegadas. Amores que mais vão do que vem, que se recusam a ser lar, - uma morada no coração de alguém - cheguei a conclusão que não quero mais me apaixonar.

Tal pensamento vagava pela minha mente enquanto andava despretensioso e via o vai e vem de pessoas, presas em seus mundos particulares, preocupadas com tantas coisas, e eu ali naquela praça distraído com o voo de uma borboleta.

Mas, entre momentos simples e situações que não foram planejadas, o imprevisto nos sobrevêm, nos reinventa, nos cativa e por vezes nos abraça, e mesmo assim eu seguia repetindo meu mantra de todos os dias não quero mais me apaixonar.

Dias se passam, e uma festa, alguns passos, um olhar que cativa e um mantra que se repete, - não quero mais me apaixonar -. Foi mais ou menos assim que você surgiu, mudando as certezas, reinventando possibilidades, dançamos (ou pelo menos eu tentei, já que dançar não é nenhuma de minhas habilidades) a noite toda, e entre um passo ou outro, meu coração pulsava e me dizia algo que eu não queria ouvir, em resposta eu apenas dizia: não quero mais me apaixonar.

Fim de festa. Despedida. Adeus, até logo. (E por dentro um aviso ao coração: você não ouse se apaixonar).

O que a gente não sabe - muito menos espera - é que algumas chegadas são tão fortes, que despedaçam partidas antigas, e nos mostram que não adianta dizer não a um coração que já está apaixonado.

No caminho de volta para casa, o celular vibra, uma mensagem com poucas palavras dizia: "Melhor companhia, quero mais! 💗", você então ler, sorri, concorda que a noite foi ótima, a companhia também, responde com muita sinceridade, e afasta o pensamento que tenta se aproximar e diz mais pra si mesmo do que qualquer coisa, não quero mais me apaixonar.

Dias passam, horas se vão, nesse ínterim as mensagens continuam a serem trocadas, a surrealidade das conversas assusta, dá medo, medo de se magoar, mas acima de tudo, um medo assustador de causar algum sofrimento a esse coração puro e cheio de amor como nunca antes eu já tinha visto, e que em uma festa e alguns passos (alguns errados) a vida me entregou.

O lindo e mais encantador é que tudo é muito simples (afinal o que há de mais simples que o amor?), com muito cuidado, com muito carinho, afeto, afago, e com chegadas, muitas chegadas, partidas existem, mas, temporárias. Um amor que está nascendo entre frases, poesias, palavras, entre beijos e abraços que de tão gostosos já se fizeram morada.

E de fato, eu não quero mais me apaixonar, eu já estou apaixonado.

Joanderson Oliveira