Só paro se me der um beijo


Passa aqui em casa hoje, fiz aquele bolo que você gosta, aquele filme que te falei já chegou na netflix, tem pipoca, tem carinho, tem cafuné, estou aqui te esperando com os braços abertos, e muitos, muitos beijos.

Vamos ficar agarradinhos, de dengo em dengo, te prometo uma tarde regada a conversas sobre a vida, sobre nada e sobre tudo, vem rir comigo daquelas piadas bobas que vemos nos posts do facebook. Vamos brincar de guerra de travesseiros?

Ah, vai ter guerra de cócegas também, que obviamente eu vou vencer, você vai se render, me pedir para parar e eu vou dizer: só paro se me der um beijo! E você vai sorrir, aquele sorriso largo, cheio de malícia e desejo e vai me beijar.

Vem e se encaixa em mim enquanto eu me perco no teu cheiro, no teu jeito, nesse teu mar de autenticidade, que tanto me encanta, que tanto me envolve e que me deixa cheio de desejo.

Toma banho de chuva comigo? Esquece o mundo, esquece o que ficou lá fora, aqui dentro somos apenas nós dois, e aqui nesse nosso mundo somos o que quisermos ser, amantes, amigos, apaixonados, ou apenas nós mesmos.

Olha nos meus olhos e sorri do nada, continua olhando e me deixa sem jeito, sorri para mim e me diz: só paro se me der um beijo.

Tudo isso porque o nosso amor é leve, ele não precisa de muito, ele precisa da gente, e nós construímos o resto, fugimos de nós mesmos, nos tornamos amantes, abençoados pela beleza da lua, e encantados um pelo outro como se o amanhã não fosse real, nem ao menos uma possibilidade, vivemos o hoje com a intensidade do para sempre.

Ao cheiro das rosas brindamos o nosso amor, e como crianças que parecem não ter crescido vivemos o amor que os adultos teimam em desacreditar.

Joanderson Oliveira