ATÉ ACONTECER COM VOCÊ, VOCÊ NÃO VAI SABER COMO É...


Vez em quando somos surpreendidos pelo acaso, esses dias me deparei com uma música maravilhosa - Til It Happens To You - que me fez pensar sobre a vida e sobre as situações que passamos, os traumas que vivemos, as dores que chegam sem aviso prévio, assim também como as alegrias, os bons momentos e por ai vai.
Pensando nisso, refletindo na música, percebi como é fácil sermos juízes da vida alheia, é fácil dizer como o outro deve se sentir, o que ele deve fazer, é fácil escrever 5 passos para a felicidade, difícil é traçar o mesmo caminho que o outro percorreu, se afetar por aquela dor que não é minha e que por mais que eu tente não vou conseguir saber de fato como é, porque as dores são singulares, porque o que me afeta, me abala, faz meu mundo cair, muitas vezes pode não fazer o mesmo estrago em você.
Essa semana vi na TV uma pesquisa que dizia que 1 em cada 3 brasileiros culpam a vítima pelo estupro, e eu fiquei me perguntando onde está a lógica em tal entendimento, e a verdade é que não existe essa lógica, o estupro não é justificável, o problema é que preferimos determinar como essas vítimas se sentem, dizer as causas de uma ação bruta e violenta, que obviamente não foi permitida, a nos afetarmos com a dor de quem teve o seu N-Ã-O desrespeitado.
Não podemos nem mensurar a dor sentida, o desespero de ter mãos percorrendo seu corpo quando você não as quer, a violência e a dor de um momento abusivo e desumano de uma excitação doentia. Então, não, não fique conjecturando justificativas, se afete mais com a dor do outro, com as lágrimas que descem, com o medo que fica, com a tristeza que agarra a garganta e sufoca a voz, porque certas coisas você não vai saber como é apenas por teorizar a circunstância, existe uma frase circulando na internet, não traz a autoria, mas diz que "se colocar no lugar do outro é grátis", pense nisso.
Não diga que uma pessoa negra vive de "mi mi mi" por lutar por seus direitos, não diga que uma pessoa negra se vitimiza quando diz que sofre preconceito, porque não é "mi mi mi", tampouco vitimização, só sabe o que é o preconceito, quem já foi alvo dele só por ser quem é, só por ser diferente, só quem já teve portas fechadas por sua cor da pele ser negra sabe como dói, só quem já viu alguém ir pro outro lado da rua para não passar perto de você, por você ser negro sabe o que é o preconceito racial. É bem verdade que já temos muitos avanços, mas eles ainda se tornam poucos diante de tudo que temos a conquistar. Quando usarem a cor da sua pele para determinar o seu caráter você vai saber o que é o preconceito. Até lá apenas se afete pela dor do outro, e respeite quando ele disser que as "brincadeiras" com sua cor, seu cabelo, seu jeito, são erradas, e que na verdade não são brincadeiras, perde o ar de "brincadeira" quando eu causo dano - por menor que seja - a um outro alguém.
Não se ache no direito de julgar o amor entre duas pessoas do mesmo sexo, você não sabe o que elas sentem, você não conhece as dores nem as alegrias que eles trazem no peito, Caetano já disse que "cada um sabe a dor e a delícia de ser quem é". Não proponha cura a essas pessoas, elas não precisam de cura, precisam serem respeitadas como seres humanos que são. A única coisa que precisa de cura é o preconceito e a intolerância que são diariamente semeadas. Se afete mais com dor das pessoas, a vida já é bem cruel com quem é diferente do que é socialmente esperado - infelizmente -, não se torne mais um algoz, faça o caminho contrário, espalhe amor, não é feio, nem muito menos errado dois homens ou duas mulheres que se amam ficarem juntos, feio é traição, desrespeito, tratar o outro com descaso. Feio é achar que pode dizer como o outro deve se sentir, quem amar, aonde ir, e o que fazer. Amor? Ah, o amor é lindo em todas as suas formas. Apenas respeite e siga sua vida, sem fazer mal a ninguém.
Nos falta isso sabe?, sermos mais humanos, mais solidários, sermos mais amigos, falta nos colocarmos no lugar do outro de verdade, não para fazer "a linha bom samaritano", mas porque faz bem, porque é necessário, porque se eu tratar o outro como eu gostaria de ser tratado o mundo vai se tornar um lugar melhor, porque das nossas dores só a gente sabe, porque só a gente sabe como se sente.
E até acontecer com você, você não vai saber como é...



Joanderson Oliveira