Hoje choveu saudade e eu me deixei molhar


Volta para aquele momento que a minha boca brincava com a tua, que a minha mão descobria as curvas do teu corpo enquanto dançávamos sem com mais nada nos importar.

Para naquele instante em que meus olhos te desejavam e você não parava de me provocar, volta para aquele segundo de loucura e desejo em que palavras não foram verbalizadas, mas, apenas sentidas, como se materializadas no ar.

Porque a verdade é que você não sai dos meus pensamentos, e eu não sei explicar essa sensação gostosa, louca e irracional de querer viver contigo tudo e nada, limites para que?

Hoje (e só por hoje) me deixei sentir saudade dos momentos vividos, das conversas trocadas, dos beijos dados e das vontades que de tão minhas não consigo transformar em palavras.

O fato é que hoje choveu você, e eu me deixei inundar, me fiz de terra e por você me deixei molhar. Choveu nosso cheiro, nossas manias, nossas risadas, nossos momentos, choveu a gente sem parar e eu apenas me deixei molhar.

Assim como a da Ana Carolina, "minha garganta [ainda] estranha quando eu não te vejo", meus lábios ainda procuram os teus, e hoje, só por hoje vou deixá-los te encontrar.

Te vi nas músicas que ouvi, nas séries que tentei assistir, nos filmes 'mel com açúcar' que me dispus a ver, te encontrei nos textos que li, e te toquei nas palavras que escrevi, pois se não as escrevesse elas iriam me sufocar.

Te trouxe para perto, matei a saudade, senti teu cheiro, provei teu beijo, senti teu corpo e me deixei levar, e enquanto chovia saudade lá fora, eu me fiz saudade aqui dentro e me permiti te abraçar.

Não discuti com o tempo, não briguei com as horas, nem pedi que os ponteiros do relógio girassem em meu favor. Apenas te senti e por você, apenas por você me deixei inundar.

Quando enfim a chuva passou, olhei para longe e vi um novo sol despontar. Hoje foi o seu dia, amanhã não vai chover, amanhã é primavera, o sol, apenas ele vai brilhar, e caso chova - você - vou abrir um guarda-chuva e não vou me deixar molhar.

Não me leve a mal, você choveu hoje, e eu já me deixei inundar, amanhã é outro dia, e não há espaço para chuvas lá - ainda que elas sejam lindas -. Você me deixou solto tempo demais, e hoje eu só quero voar.

Joanderson Oliveira