Entre parênteses


Resolvi te guardar entre as coisas boas que já não voltam, te deixar no canto das boas recordações e daqueles momentos que embora tenham sido lindos, não sentimos mais a necessidade de revivê-los.

Te deixei naquele lugar cheio de afeto de que te falei lembra? Vez em quando passo por lá e revejo os bons afetos que a vida me deu. Te guardei lá para te proteger, para o dia seguir mais brilhante e para não termos que lidar com brigas ou pesos desnecessários.

Algumas definições de amor são muito limitadas, e alguém disse que quando é amor não acaba jamais, - longe de mim querer julgar os sentimentos alheios - mas acredite quando digo que o amor também acaba, isso não significa que não tenha sido amor, só significa que o nosso momento juntos já passou. Mas foi amor sim, e dos bons, daqueles gostosos e cheios de momentos dignos de serem lembrados.

Sim, eu fiquei mal com o fim, eu fiquei com raiva, eu bati o pé, e briguei com o tempo, com Deus, com a vida, e achei injusto, e reclamei, e te quis de todo jeito. Errei quando fiz isso, a gente erra quando quer forçar o amor a acontecer, a continuar quando ele já não se faz mais presente. Mas isso foi por pouco tempo, esfriei a cabeça, entendi melhor as coisas e percebi que mereço um amor que queira ficar e não um que eu tenha que pedir para que fique.

Te guardei com muito carinho porque é assim que devemos guardar aquilo que foi amor - o sentimento mais importante do mundo, não deve ser jogado fora simplesmente -. Algumas músicas perderam a graça, alguns filmes também foram juntos e tudo isso está guardado no que foi, no que aconteceu, no que passou.

A beleza do passado é poder saber o que se viveu e que as histórias que temos para contar valem as boas risadas dadas, as emoções sentidas e o pequeno infinito construído.

Não sinto sua falta, porque o amor é presença e quando essa presença não acontece o amor vai buscá-la em algum lugar até a encontrar. Fui embora querendo ficar, mas certo de que devia, por isso te protegi nas minhas lembranças, te guardei pro tempo não levar embora, pro esquecimento não te apagar.

Boas recordações trazemos a memória pois não devem ser esquecidas, amores passados - amores de verdade - merecem ser celebrados, tenham eles acabado ou sejam eles os amores do presente. Aprendi tantas coisas ao seu lado, demos boas risadas e construímos uma pequena história, por isso te guardei. Quando os amores chegam ao seu fim, a gente guarda o sentimento, pega a semente e a planta em um novo jardim.

Te guardei entre parênteses para não esquecer o quanto amar é bom, te guardei entre parênteses e segui em frente, fui em busca de um novo amor. Te guardei para lembrar que o amor não é certeza de felicidade, mas é o caminho que fazemos para chegar a ela - grato por nossos momentos felizes, deixe-me dizer que foram lindos -.

Te guardei entre parênteses e segui sem olhar para trás.

Joanderson Oliveira