Sobre o sentir


A primeira vez que entendi que sentia as coisas demais (talvez em excesso) foi quando um olhar me machucou, "-Mas foi só um olhar, você também se dói com tudo". Foi a resposta que tive após questionar a situação.

Desde então passei a me silenciar, a não dizer, a não falar. O olhar que "não era nada demais", virou saudade, virou lembrança, virou passado e hoje é apenas uma memória.

Nem sempre sei o que falar, as vezes não sei o que dizer, mas com toda certeza eu sei bem as coisas que sinto.

Eu acredito que o silêncio fala e na grande maioria das vezes existe mais verdade nele do que na palavra proferida. Por isso às vezes apenas me calo.

Sempre entendi que o amor está nos gestos simples, nas atitudes afetuosas, na atenção especial, no "bom dia, como vai?' que quando tem amor ele soa diferente, ganha uma vida que não explicar.

Devo estar divagando no assunto... eu falava que sinto demais as coisas, as ações, as pessoas, as palavras.

Já me disseram certa vez, "-Joh você é uma pessoa forte". Quem disse isso certamente nunca viu meus olhos marejados, nunca me viu machucado, nunca me viu "desarmado", com todas as minhas defesas no chão.

Não sei se de fato sou forte, mas sei que acredito no amor e acredito que ele nos torna potentes para enfrentarmos o amanhã. Nos dias cinzas o amor me traz um colorido e me faz sonhar.

Não me importo se sinto as coisas demais, não me importo se pequenas coisas me doem. Esse sou eu e eu me gosto assim.

O futuro é incerto, e eu só espero que tenha amor lá.

E que eu continue sentindo:

...o amor
...as pessoas
...as palavras
...os afetos

Não importa que seja em excesso, são os meus excessos e eu os gosto também.

Joanderson Oliveira