Como se preparar para o amor?


Carlos, sossegue, o amor
é isso que você está vendo:
hoje beija, amanhã não beija,
depois de amanhã é domingo
e segunda-feira ninguém
sabe o que será.
(Carlos Drummond de Andrade)

Quando eu era mais jovem, lá na fase da adolescência e via casais felizes, compartilhando momentos, celebrando o fato de estarem juntos eu ficava me perguntando qual era a receita deles, quantas xícaras de amor eles usavam, quantas porções de carinho eram necessárias, quais os ingredientes que fazia com que tudo aquilo desse certo.


O tempo passou, eu cresci (nem tanto na estatura é verdade rs), mas o certo é que o tempo passou e eu aprendi que o amor não tem receita, porque o amor não é algo pronto, acabado. Amor é construção, e uma construção infinita, que a cada dia precisa de um tijolinho a mais para ficar de pé.

Não existe fórmula mágica, nem pó de pirlimpimpim que façam com que ele dê certo, ou que produzam o amor verdadeiro. Um dia me disseram que o amor tem que fluir, quase nunca sabemos como, raramente sabemos de onde, ele é meio imprevisível e simplesmente acontece.

O amor nem sempre é calmaria, as vezes ele nos tira o chão, em outros momentos nos entrega o universo. Vamos de um extremo ao outro em questão de segundos, porque amar também é se perder, o que não é de todo ruim, como dizia Clarice Lispector "Perder-se também é caminho".

O amor se faz quase sempre de duas pessoas que pretendem ficar juntas, cada uma com seu mundo particular, sua vida pessoal, seus valores, crenças e pensamentos, juntar tudo isso, fazer com que as coisas coexistam em harmonia talvez seja o maior desafio.

Chegará o momento que um vai ter que ceder, que relevar. Porque o amor se faz de compreensão. Nem sempre é fácil. Já magoei sem querer, já falei o que não devia, não fui compreensivo quando/quanto deveria, como dizem "meti os pés pelas mãos" em muitos momentos na vida. A intensão até era boa, mais o resultado não foi. Doeu em mim, doeu em quem magoei. E da mesma forma também já fui magoado, mal compreendido, e também doeu. Isso faz parte da vida, parte do que somos, parte do cotidiano.

Eu pensava que aqueles casais perfeitos nunca brigavam, eram a todo momento a mais perfeita harmonia, e como eu ansiava por essa perfeição que eu idealizava. Até que um belo dia vi o "casal modelo" que para mim era a referência das "relações perfeitas" discutindo. Percebi como estavam diferentes, havia raiva no ambiente e tristeza em ambos os olhares. Naquele momento meu mundo caiu. Pensei: "tudo que eu imaginei era uma farsa?!"

E não, nada do que vi era uma farsa. Eles realmente se amavam e até hoje ainda se amam de uma forma que admiro e respeito com todas as minhas forças. Depois da briga eu os vi fazendo as pazes, ambos reconhecendo seus erros e como aquela discussão era pequena e insignificante diante do amor que sentiam um pelo outro.

Com eles aprendi que o amor não tem que ser perfeito, ele precisa ser verdadeiro. Ele precisa querer ficar depois da briga, depois das coisas não tão boas. Pedir perdão quando magoar. Cuidar mesmo quando as coisas não estão tão bem. Querer ficar... e juntos esperar a tempestade passar.

A melhor forma de se preparar para o amor, é estar disposto a lidar com todas as situações que as vezes fogem do nosso controle, é ter coragem de lutar pelo que realmente importa.

E se o amor não for importante, eu sinceramente não sei porque mais devemos lutar.

Joanderson Oliveira