Pela janela do quarto


Engole teu coração e se ama por dentro.
- Caio Fernando Abreu

Ele foi deixado naquela calçada sem entender muito bem o que estava sentindo, sentimentos misturados, um turbilhão deles, e com a certeza de que assim como o amor nos dá enormes alegrias ele é capaz de provocar enormes tristezas.

Ele não sabe ao certo como tudo ficou tão grande, tão intenso e quando ele pensa em tudo isso, a resposta vem como sussurro, Clarice Lispector parece lhe soprar ao ouvido: "[...] já era amor antes de ser".

Ele viu seu amor ir embora, sem adeus, sem porquês, sem explicações...

Tudo que ele queria era que seu amor quisesse ficar, lhe abraçasse, lhe beijasse e dissesse que ficariam juntos (para sempre?). Mas ele não sabe pedir essas coisas, ele não sabe pedir sentimentos, ele defende que não se pode ficar mendigando o amor, ele diz o que sente, fala mesmo, coloca para fora o que jorra em seu peito, ele só não pede para ficar, amor para ele tem que ser livre e por isso ele deixou seu amor ir.

O que ele não sabe (mas o futuro um dia vai lhe mostrar) é que o próximo capítulo da sua vida vem recheado de surpresas (que ele espera, sejam boas, e no fundo ele sabe que serão).

Ele chorou, ficou melancólico e até cabisbaixo.

Mas ele parou...

Pensou em tudo, refletiu e não se arrependeu de nada que viveu, ele amou de forma tão intensa, como se o amor fosse seu próprio sangue correndo em suas veias indo até seu coração o fazendo pulsar como se fosse pular fora do peito.

Ele é forte (muito embora algumas vezes possa não parecer), ele sorrir, dar risada, ele contorna a situação, se reinventa, ele sabe em que acredita, e ele acredita no amor mesmo que às vezes ele doa, mesmo que às vezes ele faça o coração sangrar.

Só o amor nos faz sentir vivos, como se nada mais no mundo tivesse importância! Nenhum outro sentimento é tão poderoso, amar é sem dúvida uma dádiva, ser amado é o maior e melhor de todos os presentes.

Ele acredita em algo que não consegue muito bem explicar, algo que em nada tem a ver com contos de fadas cheios de perfeições, ele acredita em vida real, uma vida perpassada pelo amor. Porque para ele o amor sempre foi (e é) real.

Ele olha pela janela do seu quarto, vê a beleza da lua e tem certeza de que o amor ainda vai lhe fazer muitas surpresas e que Deus ainda vai fazê-lo muito feliz!

Porque ele é assim, não se cansa de acreditar no amor, ele é romântico, bobo e apaixonado (e um pouco safado, no bom sentido da palavra rss), ele tem muitas formas de se reinventar mas apenas uma essência de ser.

Joanderson Oliveira