Borboletas no estômago


"Alguém para me amar, precisa me aceitar
assim como eu sou: imperfeito amor!
Quem quiser me amar, precisa ter o dom
bem mais que seduzir... NAVEGAR EM MIM!"
(Paula Fernandes)

Já ouvi algumas pessoas dizerem que dinheiro compra tudo, e que para serem felizes só precisam dele.

Bom, dinheiro é importante sim, precisamos dele (fato), mas não se iluda (caso você pense que ele compra tudo) pois ele não compra.

Ele não compra amigos, ele compra interesseiros que se aproximam de você pelo que você tem e não pelo que é.

Ele não compra amor... Ahhh não compra mesmo! NÃO! N Ã O! N-Ã-O! (mil vezes não!)

O amor não é assim, ele não funciona assim, ele não aceita ser vendido, porque quando é amor de verdade ele é doado.

O amor não se mantém por meio de presentes, o nome disso não é amor, (é algo que eu não consigo nem definir), o fato é que o que se ver em um "amor" desse tipo é alguém (que se acha muito esperto) tirando vantagem de uma situação confortável (aparentemente, claro). Mas não me entenda mal, claro que quem ama dá presentes, (eu amo dá presentes... e eles vão cheios de amor, por mais simples que sejam) mas eles são consequência e não alicerce da relação (percebe a diferença?).

Preciso dizer, presentes não compram o meu amor, não sou interesseiro e me orgulho disso. Já tentaram me conquistar por meio de presentes, mas devolvi, não recebi, mandei de volta (e não me arrependo). Não fiz por maldade, mas eu sabia que ao aceitar eu poderia está alimentando algum tipo de esperança e eu não gosto e nem acho certo brincar com o sentimento das pessoas. No que se refere ao amor, sinceridade é fundamental, e nem sempre o amor é correspondido (eu sei bem disso). O fato é que sentimento é coisa séria, eu penso assim.

O Caio Augusto Leite, diz que: "Sentimento não se agradece, se retribui. Não sei amar de favor, só gosto de quem se faz gostável".

Meu Deus a tanta verdade nessa frase... tem tanta gente confundindo gratidão com amor, e por mais parecidos que possam ser eles são sentimentos muito diferentes, eu sou grato a tanta gente, gratidão é você compreender que não é auto-suficiente e que precisa do outro, que o outro é importante. Amor? Ah, o amor vai além disso. Eu não quero que alguém que eu amo seja apenas grato a mim, no que se refere ao amor eu não me conformo apenas com gratidão, o amor está além disso, ele não consiste em troca de favores, ele é bem maior que isso. Ele precisa ser reciproco, ou parafraseando o Caio Augusto Leite, ele precisa ser retribuído intensamente, nada de metades ou porcentagem, eu quero mesmo é um amor que transborde.

Antes de me dá presentes, o amor tem que me dá borboletas no estômago, me revirar pelo avesso, conhecer os meus defeitos e ainda assim ficar, me fazer arrepiar, olhar nos meus olhos e vê além da aparência, tem que ter essência, tem que me fazer sonhar, suspirar, sentir saudades, despertar as melhores sensações possíveis, e acima de tudo, tem que ser Amor, com "A" maiúsculo e em negrito. Tem que ser amor, porque o amor não precisa de complementos, ele se basta, ele se completa, ele transborda, o Eu Me Chamo Antônio diz que o "O amor cabe até onde não tem cabimento", e por ser esse sentimento tão poderoso ele não pode e não é vendido. Cuidado com as ofertas, você pode está comprando falsificações baratas do amor, e nesse caso é melhor fazer como as havaianas, fique com o legítimo, recuse as imitações.

Joanderson Oliveira