Não pode ser de metade, tem que ser completo


Não gosto de frases incompletas, de palavras soltas que nada significam, nem de pessoas pela metade.

Seja e esteja por completo. As vezes vivemos com medo de ser quem somos. Vivemos em função de agradar alguém... fazemos "das tripas" coração para satisfazer a vontade do outro, mesmo que isso nos machuque, o que é claro só mostra a falta de amor próprio que muitas vezes esquecemos de praticar.

A grande questão é que não há como agradar o outro se não estamos nos agradando, se a a ação que exercemos não está nos trazendo felicidade. Estamos pela metade, tentando ser alguém que não somos.

Não da para viver (na vida real) fazendo teatro.

E por favor! Que "amor" é esse que ama apenas o lado bom, as partes que são agradáveis? E esquece os defeitos, pois todos temos e sim eles são importantes também, quem ama mesmo ama também os defeitos, a menos é claro que você seja perfeito.

Mas não, você não é! Ninguém é perfeito.

Não posso cobrar perfeição quando eu não posso dar perfeição, entende? Relacionamento se faz com reciprocidade. Só posso cobrar algo que eu faço, dou, que sou capaz de ser.

Concordo que existem situações e ações que podem ser (re)vistas e melhoradas por meio do diálogo. Mas o que não entendo é quando uma parte se acha perfeita e quer "reprogramar" o outro como se ele fosse uma especie de robô.

Me desculpe, mas para mim isso não é amor.

Como diz minha escritora favorita, a Clarissa Corrêa: "O amor não te deixa fora de órbita. Ele te coloca no eixo. Ele faz com que você se sinta à vontade dentro do próprio corpo. E faz com que goste ainda mais de ser quem é".

Se é para me amar, me ame por completo, com tudo que sou, inclusive e principalmente com meus defeitos.

Não me venha com metades! Pois não sei me dar pela metade.

Joanderson Oliveira